RÁDIO CIDADE AO VIVO

Ouça pela Rádios Net

Ouça pelo Listen 2 My Rádio

Imagem relacionada
Loading ...
Loading ...

terça-feira, abril 09, 2013

12 Policiais Militares são transferidos de Assú para Afonso Bezerra


O Boletim Geral nº 065 da Polícia Militar do RN trás publicação da transferência de 12 Policiais Militares da sede do 10º BPM (Assú) para a cidade de Afonso Bezerra, região central do estado. De acordo com a publicação a movimentação é em cumprimento a uma decisão judicial da Comarca de Afonso Bezerra/RN devido a uma ação civil pública. 

Os Policiais Militares estão sem saber o critério utilizado para a transferência, já que a maioria desses militares moram na cidade de Assú e irão desfalcar o já precário efetivo de uma das cidades mais violentas do Rio Grande do Norte.

Reprodução Cidade News Itaú via GTO Assú
Leia Mais ››

Caso Fernanda Ellen: vizinho matou estudante e depois foi consolar a família, revela policial militar


O juiz Wolfram Cunha Ramos decretou no final da tarde desta terça-feira (9) a prisão preventiva do assassino confesso da estudante Fernanda Ellen, Jeferson Luiz de Oliveira(foto). Por causa do horário em que o decreto de prisão foi assinado, o acusado, que está preso na sede do Grupo de Operações Especiais da Polícia Civil (GOE), será levado para a Central de Polícia, onde passará a noite. Na quarta (10), ele será levado para o Presídio Flósculo da Nóbrega (Róger), onde aguardará julgamento. O decreto de prisão atirbui a Jeferson os crimes de latrocínio e ocultação de cadáver. 
 Á polícia, o acusado disse que estrangulou a estudante Fernanda Ellen de 11 anos, depois que ela se recusou a lhe dar R$ 20 reais para comprar pedras de crack. 
Segundo relatos do acusado, ele resolveu matá-la para ficar com o aparelho celular, vendê-lo e trocá-lo pela droga e nega que tenha cometido qualquer tipo de estupro, apesar disso, a polícia não descarta essa hipótese e aguarda o resultado da perícia médica do Instituto de Polícia Científica (IPC), que deve sair em até 10 dias.
Depois de estrangular a criança, ele teria colocado o corpo de Fernanda embaixo da cama de casal onde dormia e só o enterrou no quintal na madrugada do dia seguinte.
Estes foram os detalhes mais chocantes do crime relatados na entrevista coletiva concedida pelo delegado adjunto do Grupo de Operações Especiais da Polícia Civil (Goe), Aldrovilli Grisi, junto com o secretário de Estado da Segurança e da Defesa Social, Cláudio Lima e o comandante geral da Polícia Militar da Paraíba, coronel Euller Chaves, na Escola de Serviço Público do Estado da Paraíba (Espepe), em Mangabeira, zona Sul da Capital, na manhã desta terça-feira (9).
As autoridades informam que ele está à disposição da secretaria estadual de segurança orque ainda será ouvido sobre outros crimes que tenha cometido no passado, como um provável estupro contra uma estudante universitária, em 2010.
Jeferson Luiz morava há três anos no endereço onde cometeu o crime, no Alto do Mateus, zona Oeste de João Pessoa, e é pai de duas filhas, uma de 3 outra de 8 anos.
Fim do mistério
Três meses e um dia depois do desaparecimento da estudante Fernanda Ellen (11), a Polícia anunciou que conseguiu desvendar o caso. O desfecho foi surpreendente. Segundo as autoridades, Jeferson Luiz de Oliveira (25) confessou o crime e está preso.
De acordo com o o delegado adjunto do Grupo de Operações Táticas na Paraíba (GOE), Aldrovilli Grisi, em março, as autoridades conseguiram rastrear e encontrar o telefone de Fernanda Ellen com uma garota de programa que confessou ter trocado o aparelho por pedras de crack, na rua da Areia (centro da Capital, numa área onde ficam casas de prostituição); essas drogas também foram consumidas pelo acusado. Na época, ela fez um retrato falado do suspeito.
Aldrovilli revelou que a prostituta não é traficante, não fez sexo com Jeferson e agora está recebendo apoio da Secretaria Estadual de Saúde para tratamento contra o vício, por ser considerada apenas como usuária de entorpecentes.
O acusado se fez de amigo da família
Familiares da estudante Fernanda Ellen e um policial militar se pronunciaram na manhã desta terça-feira (9), sobre a morte da garota e revelaram que o acusado pelo crime Jeferson Luiz de Oliveira, 25 anos, esteve no mesmo dia do desaparecimento na casa de família da estudante para consolar e "saber" o que estava ocorrendo.
Conforme o caminhoneiro Fábio Júnior, que é pai da garota, o acusado se juntou ao mutirão organizado pelos amigos e a família na tentativa de encontrar a estudante com vida. “Ele foi panfletar nas ruas conosco e ainda participou de um culto que fizemos. Jamais pensávamos que ele seria capaz de fazer essa atrocidade”.

Local onde o corpo foi encontrado

Fernanda Ellen despareceu no dia 7 de janeiro. Ela retornava da escola a poucos metros de sua casa, repetindo um trajeto dirário que fazia a pé. A estudante tinha ido ao colégio pegar suas notas finais do ano passado.
Várias frentes de investigação foram levadas em  consideração. Na semana passada, a CPI do Tráfico de Pessoas da Câmara Federal esteve em João Pessoa. Os familiares chegaram a pedir o ingresso da Polícia Federal no caso. O deputado federal paraibano Major Fábio (DEM), integrante da CPI, declarou que não descartava que Fernanda Ellen teria sido vítima do tráfico de pessoas.
No entanto, a Polícia Civil e a Polícia Militar atuavam em outra vertente. Já tinham em mãos o celular encontrado com a garota de programa, que estava detida para averiguações. A partir de um retrato falado feito com as descrições da prostituta, que atuava na rua da Areia, cidade baixa de João Pessoa, os familiares confirmaram as semelhanças com a foto de Jeferson Luiz.
Por volta das 17h30 da última segunda-feira (8), a garota de programa foi até o bairro Alto do Mateus e reconheceu o suspeito como responsável por tê-la entregado o aparelho celular da vítima desaparecida.
Após abordagem da Polícia Civil, o homem ainda tentou fugir pulando o muro, mas foi perseguido até ser detido pelos policiais. Já preso, confessou que matou Fernanda Ellen no mesmo dia em que a estudante desapareceu e teria enterrado o corpo no dia seguinte.
A notícia da prisão de Jeferson Luiz se espalhou pelo bairro do Alto do Mateus. Cerca de mil pessoas foram para frente da casa do suspeito e ameçaram linchá-lo e depedrar a casa dele. A rua foi interditada com a chegada de reforço policial; o próprio suspeito indicou o local onde teria enterrado a menina.
Peritos do Instituto de Polícia Científica (IPC) foram chamados à residência; escavaram e encontraram um corpo em avançado estado de decomposição. O comandante da Polícia Militar, Euller Chaves, disse não ter dúvidas de que trata-se de Fernanda Ellen, pelas características inciais do corpo e pela confissão do vizinho da estudante.
O IPC fará exame de DNA nos restos mortais.
Mobilizações
Familiares e amigos realizaram na noite da última sexta-feira (5), um protesto por respostas do desaparecimento de Fernanda Ellen e pelo fim da violência. O grupo percorreu a orla marítima de Tambaú à Cabo Branco, em João Pessoa. No mesmo dia,  ocorreu a audiência para discutir o caso na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Tráfico de Pessoas na Assembleia Legislativa, na Capital.

Reprodução Cidade News Itaú via Portal Correio/é Sertão
Leia Mais ››

Agentes penitenciários controlam início de motim no Raimundo Nonato


Cerca de 170 presos do pavilhão "A", do Presídio Provisório Professor Raimundo Nonato realizaram, nesta terça-feira (9), um motim. Segundo eles, o motivo seria a falta de água e de condições para o cumprimento de suas penas. O tumulto só acabou com a intervenção dos agentes penitenciários do Grupo de Operações Especiais e com a chegada da imprensa.


 
A unidade, que abriga hoje 403 homens, é dividida em dois pavilhões e há muito tempo apresenta problemas graves como a estrutura física do prédio, que funciona na avenida Itapetinga, no conjunto Santarém, zona Norte de Natal.

De acordo com o diretor do presídio, Wellington Marques, o motim começou no início da manhã depois que a unidade por problemas técnicos teve o abastecimento de água paralisado. Todos os presos do pavilhão "A" começaram um quebra-quebra arrancando algumas grades e destruindo objetos. 

"Tivemos toda a calma e demos início a um processo de negociação que resultou em um acordo no início da tarde. O acordo seria de chamarmos a imprensa e em seguida fazermos uma revista minuciosa com o pessoal do GOE", relatou.

Com a chegada da imprensa, os presos apresentaram uma carta de reivindicações constando cinco tópicos onde eles pedem o direito a assistência médica, liberação de remédios pelos familiares, resolver definitivamente o problema da água, melhor tratamento dos agentes com relação a alimentação vinda com os familiares em dias de visitas entre outras.

Ainda segundo Wellington a principal reivindicação que é a questão da falta de água já está sendo resolvida e contornada. Alguns vazamentos estão sendo concertados e haverá a partir de hoje um maior controle na distribuição da água para se evitar desperdício. Quanto aos outros pedidos o diretor disse ainda que fará o possível para atendê-los, mas que a prioridade é manter a casa em ordem.


Reprodução Cidade News Itaú via Portal BO
Leia Mais ››

Jovem morre após dar a luz na maternidade de Patos, família acusa médico por negligência


Depois de quase 12 horas com problemas para dar a luz ao seu segundo filho, a jovem Lídia dos Santos Pereira (foto), 21 anos, residente no Conjunto Bivar Olinto, em Patos, morreu na Maternidade Dr. Peregrino Filho. A morte da jovem, que estva no nono mês da gravidez, deixou o pai em desespero, pois a sogra da vítima, a senhora Severina Araújo Pereira, que é enfermeira, disse que presenciou a angústia da sua nora pedindo para não deixá-la morrer, pois já havia perdido bastante sangue e as forças tentando ter a gravidez normal como queria o médico.

Ao receber a notícia da morte da esposa, o marido, que não teve o nome revelado, entrou em desespero e ameaçou matar os responsáveis pela morte. Policiais militares foramacionados pela direção da Maternidade para conter o marido que, segundo relatos, iria buscar uma arma de fogo para executar o médico.
Os familiares acusam o médico Dr. Odir Pereira pela negligência no parto. Segundo relatos da sogra, o médico apelou para um parto normal quando o quadro era de complicações na gravidez. Após uma profunda hemorragia e dilacerações na genitália devido à força para expelir o bebê, a vítima não resistiu e faleceu por volta das 18:00h.
O bebê sobreviveu e está na Unidade de Terapia Intensiva – UTI da Maternidade. A reportagem buscou ouvir os diretores para ouvir a versão sobre o fato, mas após aguardar não obteve respostas.
Ao tentar ouvir o médico Dr. Odir Pereira sobre o caso, a equipe foi informada que o mesmo se encontrava no bloco cirúrgico e não poderia receber a imprensa.

Reprodução Cidade News Itaú via Patos Online/É Sertão
Leia Mais ››

Polícia quer saber quem manicure quis enganar com exame falso no RJ


Menino encontrado em mala é sepultado em Barra do Piraí (RJ) (Foto: Reprodução Globo News)
O delegado José Mario Omena, que investiga o caso da morte de João Felipe Bichara, de 6 anos, encontrado dentro de uma mala em Barra do Piraí, no Sul Fluminense, no dia 25 de março, disse nesta terça-feira (9) que a única coisa legítima do ultrassom apresentado pela manicure Suzana de Oliveira, é a capa, que, segundo ele, deve ter sido retirada de um exame original. O exame, que apontava gravidez, foi encontrado ao lado de uma carta em que ela teria planejado o sequestro da criança, e apresentado à polícia pela mãe dela no dia 1º de abril.
A polícia agora quer identificar quem teve relações sexuais com Susana na época em que ela afirmou estar grávida (de três semanas). “A Suzana queria provar que alguém é o pai, contar uma história. Esse pai pode ser qualquer pessoa. A finalidade dela era essa, contar uma história”, explicou Omena.

Ultrassom falso

Manicure Susana do Carmo está em Bangu  (Foto: Divulgação / Seap)Segundo o delegado, vários indícios apontam que o ultrassom é falso. “Eu ia intimar o representante geral da clínica onde o ultrassom foi feito para depor, quando a médica que seria responsável pelo exame veio à delegacia e trouxe o modelo do laudo dela, que foge ao padrão. Além disso, a assinatura da médica não bate com a que está no exame.”
De acordo com o delegado, a médica explicou que o ultrassom só é válido com grávidas a partir da quinta semana. Na definição do ultrassom apresentado pela manicure, o embrião de Susana teria 9,7 milímetros, equivalente a três semanas de gestação.
“Se a Susana precisou falsificar um exame, é provável que ela nunca tenha estado grávida. A única coisa que pode ser original é a capa dessa ultra. O que a Susana tinha era uma foto de uma impressora comum. A capa tinha vestígios de cola. Alguém pegou uma ultra original e grampeou com esse laudo produzido”, afirma Omena.
Presa em Bangu
Susana, que está presa no Complexo Penitenciário de Bangu, na Zona Oeste do Rio, confessou ter matado João Felipe no dia 25 de março, depois de ligar para a escola onde ele estudava se passando pela mãe, pedir para que ele fosse liberado da aula e colocado em um táxi. O garoto foi levado para o Hotel São Luís, onde acabou asfixiado.

O corpo foi colocado em uma mala e achado pela polícia na casa de Susana. Uma das cinco versões dadas à polícia pela suspeita era de que o motivo do crime seria se vingar do pai da criança, com quem teria um relacionamento.
Pai nega caso com manicure
O pai do menino, o empresário Heraldo Bichara Júnior, negou qualquer envolvimento com Susana.
“Nunca houve nada entre a gente”, afirmou Heraldo em entrevista ao G1 e em depoimento à polícia. Ele disse ainda que João Felipe não tinha autorização para ser retirado do Instituto de Educação Nossa Senhora Medianeira por nenhum táxi
“Era sempre a mãe dele quem buscava e levava. Nunca mandamos táxi. Inclusive no início do ano foi nos dado uma ficha de autorização que a gente preencheu informando quem seriam as pessoas que poderiam buscar o João na escola. E somente eu, a Aline (mãe do garoto), meu pai e uma cunhada, que também tinha os filhos estudando no colégio, poderiam buscar ele na escola. Mas era sempre a Aline quem levava e buscava”, revelou.
Heraldo Jr. afirmou ainda que a família não pensa em processar a escola. “Não pensamos nisso, mas o colégio não pode querer jogar, dividir a culpa com a gente, que não temos. Essas versões apresentadas agora pelo colégio não condizem com a verdade”, concluiu.

Casa de Susana está com palavras ofensivas escritas na parede (Foto: Cristiane Cardoso/G1)

Reprodução Cidade News Itaú
Leia Mais ››

Fraudes em merenda escolar serão punidas 'com rigor', diz ministro


Na Rede Estadual, merenda escolar passa a contar com 28,7% de produtos regionais (Foto: Alex Pazuello)Órgãos de controle apuram irregularidades em
contratos de distribuição de merenda escolar
(Foto: Alex Pazuello)
O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, afirmou nesta terça-feira (9) que as denúncias de irregularidades na entrega de merenda escolar para alunos da rede pública de nove estados do país estão sendo investigadas pelos órgãos de controle e que as punições serão rigorosas.
Em entrevista coletiva em Brasília, Mercadante afirmou que, por causa do grande número de municípios, "faz parte" a existência de irregularidades. "Temos 5.600 municípios no Brasil. Isso acontece. Faz parte. São problemas distintos. Às vezes é problema de armazenamento da merenda, às vezes é problema de compra da merenda, de prestação de contas."
Porém, segundo ele, "alguns casos são graves e quem errou vai ter que pagar com rigor, porque dinheiro para a educação é sagrado, especialmente quando vai para a merenda das crianças".
O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), autarquia do Ministério da Educação responsável pelo Programa Nacional Alimentação Escolar (Pnae), afirmou nesta terça que abriu, neste ano, 13 procedimentos de recuperação de crédito de contratos para fornecimento de merenda escolar. Os processos, chamados de Tomada de Contas Especial (TCE), somam um total de R$ 1,49 bilhão.
Ainda de acordo com o FNDE, em 2012 foram abertos 55 TCEs exclusivamente a respeito do Pnae. "A TCE é um procedimento exclusivo para recuperação de crédito, que é posterior a apuração da ocorrência, seja por denúncia ou não", explicou o órgão.
Reportagem publicado pelo jornal O Globo nesta terça-feira mostra que a Controladoria Geral da União e o Ministério Público investigam irregularidades no fornecimento de merenda escolar em nove estado: Bahia, Maranhão, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Roraima e São Paulo.
Como funciona o programa
O Pnae pretende repassar à redes de ensino, em 2013, R$ 3,5 bilhões para a merenda escolar. Cerca de 43 milhões de estudantes na educação infantil, no ensino fundamental, no ensino médio e nas escolas de educação de jovens e adultos são beneficiados com a alimentação nas escolas.
O repasse é feito em uma conta corrente aberta pelo próprio FNDE em dez parcelas mensais, a partir de fevereiro. Cada uma equivale à merenda 20 dias letivos, totalizando 200 dias por ano.
A partir de agora, os repasses serão monitorados pelo Sistema de Gestão de Prestação de Contas, chamado de Contas Online. Em parceria com os órgãos de controle federais, incluindo a CGU e o Tribunal de Contas da União (TCU), o FNDE vai usar o sistema para qualificar os processos de prestação de contas e dificultar fraudes. O objetivo, segundo o órgão, é a "melhor aplicação dos recursos públicos federais para a execução de programas e ações educacionais em todo o país".
Os estados e municípios têm até o dia 30 de abril, de acordo com o órgão, para enviar sua prestação de contas dos anos-base de 2011 e 2012 ao Contas Online.
Conselhos de Alimentação Escolar
Outra obrigação dos governos locais é manter a operação dos Conselhos de Alimentação Escolar (CAEs), composto por representantes do Executivo, da sociedade civil, de trabalhadores da educação e pais de alunos. O conselho tem a obrigação de fiscalizar o cumprimento das diretrizes do Pnae, além de aprovar ou não a prestação de contas.
"Os municípios que ainda não implementaram os conselhos poderão ter problemas no repasse que nós fazemos. O conselho é um instrumento fundamental de acompanhar, fiscalizar e avaliar a qualidade da merenda escolar, que é muito importante para a formação dos nossos jovens", afirmou Mercadante.
Segundo o FNDE, mais de 780 entes federativos de seis estados (Acre, Amazonas, Maranhão, Pará, Rondônia e Sergipe) poderão ficar sem o repasse dos recursos para a merenda escolar porque não reelegeram os membros do seu CAE depois do vencimento da última gestão. O MEC afirma que o Fundo fica impedido de enviar repasses da próxima parcela do Pnae caso esses conselhos não renovem seus mandatos.

Reprodução Cidade News Itaú
Leia Mais ››

MP denuncia sertanejo Hudson por posse ilegal de armas


Cantor sertanejo Hudson, preso em Limeira (Foto: Reprodução / EPTV)Sertanejo Hudson na madrugada de quinta-feira,
em Limeira  (Foto: Reprodução / EPTV)
O Ministério Público denunciou à Justiça o cantor Udson Cadorini Silva, de 40 anos, da dupla sertaneja Edson & Hudson, por posse ilegal de armas, acessórios e munições.

A denúncia foi apresentada à 1º Vara Criminal de Limeira pela promotora Patrícia Talia Telli Barsottini. O Tribunal de Justiça informou que consta no andamento do processo que a denúncia foi protocolada em 5 de abril na 1ª Vara Criminal de Limeira.

O juiz ainda não decidiu se receberá ou não a denúncia, diz o TJ. O advogado do sertanejo afirmou que apresentará uma defesa prévia e que acredita que a denúncia não será aceita pelo juiz.

Para a promotora Patrícia, o sertanejo "possuía todas as armas, acessórios e munições, de uso permitido e de uso restrito, sem qualquer autorização e em desacordo com determinação legal e regulamentar, sendo que, inclusive, o certificado de registro da carabina calibre 38 (...) estava com o prazo de validade expirado". A denúncia refere-se ao caso da apreensão de armas na casa dele.

Em 20 de março, o cantor foi preso duas vezes pela Polícia Militar. Na primeira vez, em flagrante, foi pego com uma pistola 380 e um revólver calibre 38, ambos municiados com quatro balas cada, dentro do seu carro. As armas estão regularizadas, mas o cantor não tem permissão para carregá-las em vias públicas, segundo divulgou a Polícia Civil na ocasião.

Ele pagou R$ 6 mil de fiança e foi solto. Na ocasião, disse que é colecionador e que havia esquecido que as armas estavam no veículo.

Polícia Militar exibe armas e droga apreendidas na residência do cantor sertanejo Udson Cadorini Silva, da dupla Edson & Hudson: uma pequena quantidade de droga, armas e munições de uso restrito das Forcas Armadas. Ele foi preso por porte ilegal de armas. (Foto: Edison Temoteo/Futura Press/Estadão Conteúdo)PM mostra armas e droga apreendida na casa do
sertanejo (Foto: Edison Temoteo/Futura Press
/Estadão Conteúdo)
Já na noite do mesmo dia, o cantor foi preso novamente depois que PMs encontraram na casa dele uma carabina, munições de uso restrito e maconha. O sertanejo teve liberdade provisória concedida pela Justiça e poderia deixar a cela da delegacia de Limeira se pagasse uma segunda fiança de R$ 12 mil, mas a prisão preventiva foi decretada e Udson ficou um dia na penitenciária de Tremembé até receber o direito de responder ao processo em liberdade.


Denúncia
Udson foi denunciado pela promotoria de Limeira pelos artigos 12 e 16 da Lei 10.826/03 (o Estatuto do Desarmamento), que tratam como crime possuir ou manter arma, acessório ou munição de uso permitido em desacordo com a regulamentação e também possuir arma, acessório ou munição de uso proibido em sua casa.

Cantor Hudson, no momento em que foi detido por porte ilegal de arma, em Limeira (Foto: reprodução EPTV)Cantor Hudson, no momento em que foi detido por
porte ilegal de arma (Foto: reprodução EPTV)
O advogado do sertanejo, Manuel dos Reis Andrade Neto, diz que a denúncia reflete um "processo formal de andamento do caso" e que irá apresentar uma defesa prévia para que o juiz possa tomar sua decisão.

"Esta denúncia é fácil derrubar, não acredito que será aceita. As armas encontradas possuem registro, encontramos depois. E quanto às munições de calibre 45, houve mudanças na regulação, não é mais de uso restrito. Vamos mostrar isso", argumentou ele.

Segundo a denúncia do Ministério Público, os policiais encontraram na casa do sertanejo armas de fogo, acessórios e munições tanto de uso permitido quanto de uso restrito. Dentre as armas de uso permitido estavam uma carabina calibre 38, uma pistola Beretta calibre 22, uma luneta, e mais de 150 munições de calibres 22, 32 e 380, além de várias munições deflagradas.

O cantor tinha em casa, ainda, acessórios e munições de uso restrito, como uma luneta, e munições de calibre 45, tanto intactas quanto deflagradas.

O Exército informou que Hudson tinha registro de atirador e de colecionador, mas que um certificado estava vencido.

O MP entendeu ainda que o cantor deve responder pelo artigo 70 do Código Penal, que prevê o concurso formal, quando a pessoa, "mediante uma só ação ou omissão, pratica dois ou mais crimes, idênticos ou não", agravando a pena. Segundo o MP, a denúncia foi assinada pela promotora no dia 1º. A última movimentação aponta que o processo retornou com vista para o Ministério Pública nesta terça-feira (9).

Reprodução Cidade News Itaú
Leia Mais ››

Feliciano ofereceu renúncia à comissão em troca de saída de mensaleiros da CCJ


Deputado Marco Feliciano (no centro) foi mantido na Presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara
Após reunião dos líderes dos partidos com representação na Câmara dos Deputados nesta terça-feira (9), o deputado pastor Marco Feliciano (PSC-SP) decidiu não renunciar ao cargo de presidente da CDH (Comissão de Direitos Humanos e Minorias), posto que ocupa há um mês sob protestos.

"Eu fico. Eu fui eleito democraticamente. Pedi uma chance de poder trabalhar. Vou mostrar o trabalho", afirmou Feliciano após a reunião desta manhã.

Segundo parlamentares que estavam presentes à reunião, Feliciano tentou negociar sua renúncia em troca da saída dos deputados João Paulo Cunha (PT-SP) e José Genoino (PT-SP), condenados no julgamento do mensalão, da CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania). 

"Isso é jogo baixo. Não podemos confundir uma coisa com a outra", disse. "[O pedido] é inadequado para o momento", disse o líder do PPS, Rubens Bueno, sobre a proposta de Feliciano.

Segundo relatos de deputados que participaram do encontro, Feliciano foi questionado se toparia trocar a presidência da CDH por outra comissão da Câmara. Ele respondeu com outra pergunta, questionando a presença dos petistas na CCJ. 

À tarde, em evento da Assembleia de Deus em Brasília, Feliciano colocou em dúvida ter feito a proposta. "Tem certeza que eu falei isso? Está gravado?", disse aos jornalistas. 

Em nota, o líder do PT na Câmara, José Guimarães (CE), disse que lamenta e informa que não responderá a Feliciano sobre a proposta dele de trocar sua renúncia pela saída de Genoino (irmão de Guimarães) e Cunha da CCJ.

"Tentei hoje, mais uma vez, na reunião do colégio de líderes, convencer o deputado Marco Feliciano (PSC-SP) a renunciar à presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias em razão de suas posições incompatíveis com a rica história de 18 anos do colegiado. Infelizmente, as gestões não surtiram efeito. Quanto às declarações do presidente da CDHM a respeito de parlamentares petistas, lamento, e informo que não responderei a  provocações", resumiu o líder do PT.  

No fim da tarde, Henrique Eduardo Alves se manifestou em relação ao fracasso da tentativa de persuadir Feliciano a renunciar. "Foi feito um apelo por alguns líderes para que o pastor Feliciano renunciasse à presidência da comissão. Ele não pode exercer a presidência da comissão, que tem o dever inerente de proteger e, fora daqui [como pastor], ter uma posição diferenciada que conflita com as minorias que ele tem obrigação de comandar", afirmou Alves.

De acordo com o presidente, Feliciano assumiu com os líderes de falar fora do Congresso menos temas que conflitam com as questões que deve defender como presidente da CDH. 

Reprodução Cidade News Itaú
Leia Mais ››

EUA só vão interceptar míssil norte-coreano se trajetória for perigosa


Os Estados Unidos têm capacidade para interceptar um míssil norte-coreano que venha a ser disparado nos próximos dias, mas pode optar por não fazer isso, caso a trajetória projetada não se mostre perigosa, disse um comandante militar de alta patente ao Congresso dos Estados Unidos nesta terça-feira.

O almirante Samuel Locklear, comandante das forças dos Estados Unidos no Pacífico, disse que os militares norte-americanos acreditam que a Coreia do Norte tenha levado para a sua costa leste um número não especificado de mísseis Musudan, com alcance em torno de 5.000 quilômetros.

Um funcionário do governo Obama disse à Reuters sob anonimato que "nossa suposição de trabalho é de que há dois mísseis que eles podem estar preparados para lançar". Essa avaliação coincide com relatos da imprensa sul-coreana.

Locklear disse que o Musudan tem condições de atingir Guam, território norte-americano no Pacífico, mas não ameaça o Havaí ou o território continental dos Estados Unidos.

O almirante disse numa audiência no Senado que recomendaria a interceptação de um míssil que se dirija para o território dos EUA ou de algum país aliado. Questionado sobre se recomendaria abater qualquer míssil lançado pela Coreia do Norte, independentemente da trajetória, ele disse: "Eu não recomendaria isso".

As declarações do comandante ocorrem num momento de intensos rumores de que Pyongyang estaria preparando o teste de um míssil, algo que a Casa Branca diz que não seria uma surpresa, ou alguma outra provocação que possa atrair uma resposta militar sul-coreana.

Nas últimas semanas, o Pentágono anunciou mudanças na sua postura a fim de reagir à ameaça norte-coreana, incluindo o posicionamento de dois destroieres da classe Aegis no oeste do Pacífico e a mobilização de um sistema de defesa antimísseis em Guam.

Qualquer reação dos Estados Unidos ou da Coreia do Sul a eventuais provocações norte-coreanas poderia elevar ainda mais a tensão na península, num momento em que Pyongyang intensifica as ameaças de um conflito iminente.

Nesta terça-feira, autoridades norte-coreanas aconselharam que estrangeiros presentes na Coreia do Sul deixem o país, para não serem apanhados em uma "guerra termonuclear".

O alerta não alterou a rotina despreocupada de Seul, onde o tráfego nas ruas continuou intenso, e os escritórios funcionaram normalmente.

No outro lado da fronteira, a Coreia do Norte tampouco dá sinais de preparativos especiais para suas forças armadas, de 1,2 milhão de soldados, e analistas dizem que as ameaças podem servir basicamente para fortalecer internamente o dirigente Kim Jong-un, de 30 anos.

Mas Lockler disse que, de acordo com a avaliação dos militares dos Estados Unidos, Kim é mais imprevisível que seu pai ou seu avô, seus antecessores à frente do regime comunista, que sempre pareciam incluir em suas cíclicas provocações "uma rampa de saída", segundo o almirante.

"E não está claro para mim que ele tenha pensado em como sair dessa. E assim, é isso que torna este cenário, eu acho, particularmente desafiador", afirmou.

Reprodução Cidade News Itaú
Leia Mais ››

Presidente da Câmara defende PEC que criou quatro tribunais


O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), defendeu nesta terça-feira (9) a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) aprovada na semana passada que criou quatro tribunais regionais federais.

Ignorando apelos do comando do STF e do próprio Barbosa, a Câmara aprovou na última quarta-feira (3) uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que cria mais quatro tribunais regionais federais. A proposta depende apenas da promulgação do Congresso Nacional para começar a valer.

Segundo Alves, a proposta "seguiu todo trâmite legal, regimental e jurídico" e só resta ao presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), promulgar o texto. "Eu acho que é dever do Congresso promulgar", disse Alves.

Questionado sobre a eventual aprovação ser contestada na Justiça, o presidente defendeu a posição da Câmara. "Cada um no seu pedaço. O nosso pedaço é interpretar a manifestação que chegou à Casa. Aprovou, o que resta é a promulgação", afirmou o deputado.

A criação dos tribunais foi duramente criticada pelo presidente do STF, Joaquim Barbosa. Ele prevê um impacto de R$ 8 bilhões anuais e argumenta que a medida não vai desafogar a Justiça.

"Não foi apresentada nenhuma manifestação séria do CNJ (conselho Nacional de Justiça), nem mesmo do STJ (Superior Tribunal de Justiça)", disse Barbosa durante o encontro. "Continuo a dizer, o que foi aprovado de uma maneira açodada, havia outras soluções e há outras soluções. Mas foi tudo feito a base de conversas de pé de ouvido, sem manifestação oficial de órgãos importantes do Poder Judiciário, do CNJ, etc, etc".

O texto aprovado não menciona custos nem a quantidade dos cargos necessários para os novos tribunais. Ficou estabelecido apenas um prazo de seis meses para a instalação das cortes.

Ontem, em reunião com três entidades de juízes, Barbosa afirmou que eles agiram sorrateiramente e na surdina na criação dos novos tribunais regionais federais.

Nesta terça-feira, as associações afirmaram que o ministro foi "desrespeitoso, premeditadamente agressivo, grosseiro e agiu de forma inadequada para o cargo que ocupa".

Atualmente, existem cinco tribunais regionais --Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco e Rio Grande do Sul, que julgam processos com origem nos demais Estados.

A emenda aprovada cria tribunais com sedes em Belo Horizonte, Salvador, Curitiba e Manaus.

Reprodução Cidade News Itaú
Leia Mais ››

Vazamento em São Sebastião (SP) foi de 3.500 litros, diz Petrobras


Nota divulgada nesta terça-feira (9) pela Petrobras Transporte (Transpetro) informa que, após análise de relatórios, foi constatado que o volume de combustível marítimo que vazou de uma linha no píer do Terminal Aquaviário Almirante Barroso (Tebar), em São Sebastião (191 km de São Paulo), na última sexta-feira (5), foi de 3.500 litros.

A título de comparação, no vazamento ocorrido no golfo do México em 2010, após a explosão em uma plataforma de petróleo da Transocean operada pela British Petroleum, o volume de óleo derrmado no mar foi de 779 milhões de litros, aproximadamente.

Já no vazamento na bacia de Campos (RJ), em novembro de 2011, o volume foi de 588 mil litros. O derramamento começou após um acidente em uma sonda da Transocean operada pela Chevron.

Segundo a empresa, no final da tarde de segunda-feira (8), os trabalhos de contenção e remoção de resíduos da área atingida pelo combustível foram concluídos e houve a desmobilização dos recursos de contingência na região do pier e das praias. "A decisão foi adotada, em acordo com a Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), após sobrevoos, nos quais foi constatado que os trabalhos de limpeza foram bem sucedidos", diz o texto.

As equipes seguem atuando nas inspeções e no recolhimento de amostras em toda a orla de São Sebastião e Caraguatatuba, conforme prevê o Plano de Ação de Monitoramento, acordado com o órgão ambiental, diz a Transpetro.

Origem do vazamento
As causas e a origem do vazamento serão conhecidas na sexta-feira (12), informou hoje (9) a presidente da estatal, Graça Foster. "Vamos procurar saber por que vazou, para que não se repita", disse. Graça informou que a companhia criou uma comissão para avaliar as circunstâncias do acidente e antecipou que vai recorrer da multa de R$ 10 milhões aplicada pela Cetesb.

Pelas contas da companhia, o vazamento na cidade de São Sebastião corresponde a 22 barris de óleo, sendo que cada um tem, em média, capacidade de 160 litros.

O vazamento ocorreu na última sexta-feira (5) durante o abastecimento de um navio no píer do terminal marítimo Almirante Barroso (Tebar). De acordo com a Cetesb, o óleo atingiu seis praias de São Sebastião: Cigarras, Deserta, Arrastão, Porto Grande, Enseada (inclui Prainha) e Pontal da Cruz (inclui Ponta do Arpoador) --todas são consideradas impróprias para banho.

A lista divulgada pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente de São Sebastião, no entanto, é maior (9 praias), pois inclui as praias onde o óleo, embora não tenha chegado à areia, foi verificado no mar. Estão nessas condições as praias do Centro, Portal da Olaria e São Francisco.

O óleo atingiu ainda quatro praias de Caraguatatuba (Capricórnio, Massaguaçu, Cocanha e Mococa), também impróprias para banho, elevando para 13 o número de praias atingidas pela mancha no litoral norte do Estado de São Paulo.

Reprodução Cidade News Itaú
Leia Mais ››

Câmara pauta projeto que institui eleições a cada quatro anos


Dilma Rousseff toma posse como presidente da República no dia 1º de janeiro de 2011
O presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), colocou para votação no plenário nesta terça-feira (9) o projeto que trata da coincidência das eleições e mudança as datas da posse dos mandatários eleitos.

Com isso, as eleições aconteceriam a cada quatro anos com a escolha de presidente, governadores, prefeitos, senadores, deputados e vereadores.

Atualmente, os eleitores vão as urnas a cada dois anos: uma vez para escolher presidente, governador, senador, deputado federal e deputado estadual, e dois anos depois volta para escolher prefeito e vereador.

A proposta, que prevê alteração na Constituição e tramita desde 1999 na Casa, faz parte de um pacote de projetos discutido pelo deputado Henrique Fontana (PT-RS) nos últimos meses e que fazem parte de uma reforma política.

O petista defende também a votação de outros dois projetos deste pacote: financiamento público de campanha exclusivo e alteração no sistema de escolha dos deputados federais e estaduais.

Neste último caso, o petista propôs que fosse criada uma lista flexível com candidatos. Porém, não houve consenso para votação dessas duas propostas na sessão de hoje.

A eleição a cada quatro anos também encontra resistência entre os deputados. Caso aprovada, os prefeitos eleitos em 2016 poderão ficar no cargo por seis anos, até 2022, quando ocorreria a coincidência das eleições presidenciais, estaduais e municipais.

A proposta também muda o dia da posse, que passaria para o primeiro dia útil do ano. Já outro texto em análise prevê que a posse seja dia 15 de janeiro para Presidente da República, 10 de janeiro para os governadores e 5 de janeiro para os prefeitos.

Atualmente, todos tomam posse no dia 1º de janeiro do ano subsequente à eleição.

Reprodução Cidade News Itaú
Leia Mais ››

Jean Wyllys vai ganhar proteção policial 24 horas por dia


Deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) participa de um seminário internacional nos Estados Unidos
Preocupado com as constantes ameaças de morte, o deputado federal Jean Wyllys resolveu agir. Desde o início do mês de abril, o parlamentar está sob a proteção de dois seguranças da própria Câmara, que o acompanham em todos os compromissos oficiais. Na próxima semana, quando volta de uma viagem ao exterior, Jean vai ganhar uma escolta 24 horas por dia com dois a quatro agentes da Polícia Federal.

Jean Wyllys está em Washington nos Estados Unidos. Ele participa de um seminário internacional sobre doenças raras, o World Orphan Drug Congress. "O deputado entrou com o pedido de proteção no final de março, que foi encaminhado pela Câmara  à Polícia Federal. Estamos naquela fase dos trâmites legais e aguardando a liberação dos policiais. Isso deve acontecer nos próximos dias. Jean chega na semana que vem e  já deve ter esse esquema de segurança à sua disposição", revelou Kleber Pinheiro, que trabalha na assessoria de imprensa do Gabinete do Deputado Federal.

Kleber confirmou que as ameaças acontecem pelas redes sociais e aumentaram desde que foram divulgadas mensagens que alegavam a defesa da pedofilia e ações contra os evangélicos por parte do deputado Jean Wyllys. "Ele foi vítima de uma campanha difamatória, principalmente com relação ao preconceito contra os cristãos", explicou o assessor.

Jean Wyllys pediu proteção policial depois de uma reunião com a ministra-chefe da Secretaria dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, já que as ameaças se tornaram mais constantes. Em março de 2012, a polícia indiciou dois homens que ameaçavam de morte o deputado pela internet.  Os elementos foram presos em Curitiba e, de acordo com as investigações, eles eram ativistas neonazistas. A dupla também planejavam um ataque a alunos do curso de Ciências Sociais na Universidade de Brasília (UNB).

Reprodução Cidade News Itaú
Leia Mais ››

Para pagar dívida, pai entrega filha a traficante; menina foi abusada


Um homem está preso em São José do Rio Preto (438 km de São Paulo) acusado de ter entregue a filha de cinco anos para pagar uma dívida de R$ 30 a um traficante menor de idade, que abusou sexualmente da garota.

A criança foi encontrada de bruços e sem roupa pela mãe, que ouviu gritos vindos de um imóvel vizinho à casa da família, em Tanabi (477 km de São Paulo), na tarde da última sexta-feira (5). A mãe disse que a menina estava semiconsciente e tinha marcas de tentativa de estrangulamento.

"Se eu não chegasse a tempo, tenho certeza de que minha filha não estaria viva agora", afirmou. Antes de avistar a menina caída, a mulher viu o adolescente se afastar do local, rindo, e também o marido, numa atitude de quem, segundo ela, estava dando cobertura à violência.

Para a mãe, o delegado José Francisco de Mattos Neto, 45, e dois membros do Conselho Tutelar de Tanabi, a criança relatou que o pai a pegou no quintal de casa, contra sua vontade, e a entregou ao jovem traficante.

O adolescente teria acariciado seu abdome, o tórax, tirado sua roupa e deitado sobre ela. Como a menina resistia, o menor teria apertado seu pescoço e a sacudido. A versão da criança é compatível com o relato que o adolescente deu na Vara da Infância e Juventude de Rio Preto, comarca à qual Tanabi está vinculada.

Linchamento
O traficante está apreendido no mesmo local que o pai da menina, na DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Rio Preto. A prisão de ambos foi decretada no domingo (7).

Revoltados com o crime, vizinhos teriam cercado a casa do suspeito de tráfico, no mesmo dia do crime, no bairro Bom Jesus, em Tanabi, para linchá-lo. A PM (Polícia Militar) controlou o tumulto.

Segundo o delegado Mattos Neto, o pai da criança, o desempregado Gleidson Pedro Martins, 22, tem passagens pela polícia por tráfico, ameaça e tentativa de homicídio. O menor, ainda de acordo com o delegado, já foi apreendido por porte de drogas, tráfico, ameaça e internado na Fundação Casa.

O pai da menina vai responder inquérito por co-autoria de estupro de vulnerável, que prevê prisão de oito a 15 anos. Ele nega o crime, segundo o delegado. "Ele não explicou por que passou 48 horas escondido após os fatos. Ele nem sequer procurou saber o estado da saúde da filha."

A criança passou por atendimento médico. Um laudo vai informar se houve conjunção carnal. A menina também vai receber atendimento psicológico. "Ela está bem aparentemente", disse o delegado.

Reprodução Cidade News Itaú
Leia Mais ››

"Salve Jorge": Sem sentimento, Wanda arranca dinheiro de Aisha


http://natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/4b5bf885e55fa7be2db6b6831a6805a4.jpg
Nos próximos capítulos de "Salve Jorge", Wanda (Totia Meireles) vai arrancar dinheiro de Aisha (Dani Moreno). Ela vai enganar a jovem, que acredita ser sua filha.

Tudo acontece quando a delegada Helô (Giovanna Antonelli) conclui suas investigações e informa que Wanda é mãe de Aisha. A filha adotiva de Berna (Zezé Polessa) resolve conhecer a mãe.

Ela paga a fiança de Wanda, que estará presa por ter depredado um patrimônio público, mas a criminosa não demonstra nenhum sentimento.

Vendo que pode ganhar dinheiro com essa situação, ela vai se fazer de vítima e começa a pedir dinheiro para Aisha.

Quem não vai gostar nada disso é Mustafá (Antonio Calloni) e Berna.

Reprodução Cidade News Itaú
Leia Mais ››

Saiba como será a cena em que Helô descobre que Wanda é mãe de Aisha


Em "Salve Jorge", Dani Moreno e Totia Meirelles são Aisha e Wanda, respectivamente
Helô (Giovanna Antonelli) vai ficar boquiaberta no capítulo de "Salve Jorge" que vai ao ar na próxima segunda-feira (15). Isso porque ela descobrirá que Wanda (Totia Meirelles) é a mãe de Aisha (Dani Moreno). Tudo começa quando Ricardo (Alexandre Barros) telefona para a delegada e conta que tem uma "bomba" para lhe contar. Workaholic, a mãe de Drika (Mariana Rios) corre ao encontro do delegado da Polícia Federal.

Ricardo – Oi!

Helô – Qual é a bomba?

Ricardo – Senta! Chega primeiro!

Helô – Não é pegadinha não, é? Pra me fazer desviar do meu caminho... A Morena e a Lucimar estão numa aflição.

Ricardo – Lembra do caso da garota da Turquia?

Helô – A Aisha? Já sei que você mandou ligar pro Mustafa! Não vai me dizer que ele veio?

Ricardo – Não, não, ele nem estava em casa, anotaram o recado!

Ricardo passa uns papéis para Helô.

Ricardo – Dá uma olhada no relatório que chegou agora...

Helô – Mais identidades da Wanda?

Ricardo – Especificamente essa que está marcada!

Ricardo traça um círculo em torno de "Djanira Araújo".

Helô – Ah... Outra identidade da Djanira! Ela gosta do nome, hein?

Ricardo – Certidão de nascimento da Aisha!

Helô –  Não! Não vai me dizer que...

Ricardo – É a mesma pessoa!

Helô – A Wanda... É mãe da Aisha?!

Ricardo – Pelo menos nos documentos... É!

Helô – Ricardo... Eu estou...

Ricardo – Vai um café?

Helô – Vai uma garrafa térmica inteira! Meu Deus!

Helô e Ricardo conversam sobre a novidade e a delegada diz que teme quando Aisha descobrir que foi vendida pela própria mãe, que ainda por cima é uma criminosa. Ricardo conta que mandou ligar para Mustafa (Antonio Calloni) para dar a notícia para ele.

Reprodução Cidade News Itaú
Leia Mais ››

"Salve": Érica demora a devolver filha de Morena e assusta Lucimar


http://natelinha.ne10.uol.com.br/imagem/noticia/9e2617854421bb701a04f29361531c29.jpg
Nos próximos capítulos de "Salve Jorge", Morena (Nanda Costa) vai entregar sua filha Jéssica para Érica (Flávia Alessandra) cuidar.

Tudo isso porque Lívia (Claudia Raia) vai tentar matá-la. Durante a fuga, Morena entra na igreja, encontra a veterinária e deixa sua filha com ela.

Porém, a militar vai se apegar demais à criança e acaba não cumprindo o combinado de devolvê-la a Lucimar (Dira Paes) o mais rápido possível.

A mãe de Morena se assusta e resolve ir ao apartamento de Érica para tirar satisfações. Ela se desculpa, mas não esconde a felicidade de ter ficado com a criança.

Lucimar não perde tempo, pega a neta e leva para Morena, que a esta altura já está em um novo esconderijo.

Reprodução Cidade News Itaú
Leia Mais ››

Autor promete nova virada em “Flor do Caribe”, explica influência do “Conde de Monte Cristo” e elogia “Avenida Brasil”


Depois de 25 capítulos, finalmente, nesta terça-feira “Flor do Caribe”, a novela das 18h da Globo, vai exibir o aguardado acertos de contas do mocinho, Cassiano (Henri Castelli), com o grande vilão, Alberto (Igor Rickli), que ele considerava seu melhor amigo, mas o traiu (foto acima).

O mais recente trabalho do veterano Walter Negrão chega a este momento em boa situação no Ibope. Já superou os números decepcionantes da ótima trama que a antecedeu, “Lado a Lado”, e mostra curva ascendente.

Satisfeito com o resultado até agora, Negrão (na foto com Grazi Massafera) conta, em entrevista ao blog, que prevê uma nova virada na trama no capítulo 60, mas não adianta detalhes. Aos que o criticam por ter usado o mesmo entrecho de “O Conde de Monte Cristo”, ele responde que a obra de Alexandre Dumas é um clássico já usado “infinitas vezes” em outras histórias.

Negrão elogia João Emanuel Carneiro, autor de “Avenida Brasil”, e diz que ele deu “uma verdadeira aula de como fazer isso que chamo de surpreender”. E explica, ainda, por que colocou o tema do holocausto e do nazismo em “Flor do Caribe”. Veja abaixo as respostas, enviadas por e-mail:

É possível considerar esses primeiros 25 capítulos como uma “introdução”? “Flor do Caribe” começa hoje?
Walter Negrão: A sinopse foi pensada como um todo, mas com vários pontos de “virada” para manter o interesse do publico. Essa é apenas a primeira delas. Outras virão e a próxima já está prevista para o capítulo 60. Não diria que é um recomeço e sim uma forma de surpreender. Afinal, o espetáculo é tanto melhor quanto mais surpreendente. E quando surpreende o próprio autor na hora da criação é melhor ainda.

O que vem por aí? Como manter o clima de expectativa e tensão agora que o mocinho e o vilão vão se reencontrar?
Agora mocinho e vilão vão jogar um jogo aberto, sem máscaras. O vilão com novas armadilhas e o mocinho rebolando pra se safar delas.

Como foi a resposta do público a este início de novela? Já provocou alguma alteração nos planos iniciais?
O inicio está correspondendo à expectativa. As alterações sempre acontecem (afinal é obra aberta), porém não se mexe na estrutura dramática das diversas tramas. Acentua-se, grifa-se um segmento ou outro de cada história quando o publico demonstra maior interesse por este ou aquele núcleo.

Antes de começar, você reconheceu a influência de “O Conde de Monte Cristo”, de Alexandre Dumas, na elaboração da trama. Muita gente tem comentado essa influência. O que você tem a dizer a quem rebaixa “Flor do Caribe” por não ser original neste aspecto?
A obra do Dumas é um folhetim que mora na cabeça de todo escrevinhador de novelas. Infinitas vezes orientou os entrechos. Não pensei a principio “vou adaptar o Conde”. Mas percebi a semelhança logo no inicio do trabalho e deduzi: se está parecendo com a obra do mestre estou no caminho certo.

Sei que é uma obrigação de qualquer novela ter um bom ritmo e muitos ganchos entre os capítulos. Mas você diria que o teu cuidado com estes aspectos aumentou depois de “Avenida Brasil”?
Olha, em “Avenida Brasil” o João Emanuel (Carneiro) e sua equipe deram uma verdadeira aula de como fazer isso que chamo de surpreender. Não importa se o João é novo no metier, o que importa é que tem muito talento, está conseguindo passar isso aos de sua equipe e – por que não? – aos autores mais velhos, com anos e anos de estrada.

O que te levou a tratar do tema do holocausto e criar estes dois personagens antagônicos, Dionísio (Sérgio Mamberti), simpatizante do nazismo, e Samuel (Juca de Oliveira), um judeu sobrevivente, em 2013?
Primeiro, porque sou fascinado pelo tema desde que – muito jovem – fui assistente do Antunes Filho numa montagem de “O Diário de Anne Frank”. Depois, porque é um assunto muito sério que continua atingindo, 70 anos depois, todas as camadas da audiência. Ou seja: assim como Alexandre Dumas, a Segunda Guerra Mundial é um clássico, só que – infelizmente – da vida real.

Reprodução Cidade News Itaú
Leia Mais ››