RÁDIO CIDADE AO VIVO

Ouça pela Rádios Net

Ouça pelo Listen 2 My Rádio

Imagem relacionada
Loading ...
Loading ...

quarta-feira, junho 14, 2017

Professora é suspeita de agredir alunos de 8 anos na sala de aula em Barretos, SP

Boletim de ocorrência registrado por diretor de escola em Barretos relata comportamento agreesivo da professora (Foto: Claudio Oliveira/EPTV)

Uma professora de 39 anos é investigada por suspeita de agredir alunos de 8 e de 9 anos na Escola Municipal Leodete Silvério Joi, em Barretos (SP). Segundo a Polícia Civil, imagens das câmeras de segurança da sala de aula mostram a mulher, que é estagiária, empurrando e sacudindo as cabeças dos estudantes, dando tapas e jogando giz contra eles. Entre as vítimas está um menino com deficiência intelectual.
Procurada, a professora não foi localizada para comentar o assunto. Ela deve prestar depoimento à Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) nos próximos dias.
A Secretaria Municipal de Educação informou que a professora foi afastada do cargo.
Denúncia
O caso chegou à polícia depois que o pai de um dos alunos do 3º ano do Ensino Fundamental procurou a direção da unidade para denunciar o comportamento agressivo da professora. De acordo com o boletim de ocorrência, o filho dele contou que tinha apanhado na sala de aula.
Ao verificar os vídeos da câmera de segurança da sala, o diretor da instituição confirmou as agressões e apresentou as imagens à Polícia Civil. Segundo as informações passadas ao delegado Antônio Alício Simões Junior, a professora belisca a bochecha de um aluno, e na sequência, empurra as cabeças de uma menina e de um menino. Cerca de 15 minutos depois, a mulher puxa a orelha e sacode a cabeça de uma quarta criança, que ainda recebe tapas. A funcionária também atira giz na direção dos alunos.
De acordo com o diretor, um dos estudantes agredidos tem deficiência intelectual. Outra criança foi submetida a exame no Instituto Médico Legal (IML) devido a um ferimento causado na bochecha.
Mãe de uma das vítimas, Aiara Cristine da Silva diz que o comportamento da professora é revoltante. “É inadmissível, inaceitável. A gente trabalha, deixa o filho na escola achando que lá ele está seguro, e não está. As imagens dizem tudo.”
Segundo Aiara, o filho contou que levou um tapa na cabeça depois que riu de um puxão de orelha dado pela professora no colega. “Ele é criança, de 8 anos, acha engraçado. Foi onde ela pegou e deu um tapa na cabeça dele. O diretor falou pra mim que ela segurou a cabeça dele firme. Eu quero que ela seja punida”, diz.
Para o delegado, as imagens não deixam margem para contestação. “É uma prova indiscutível, visível. Existem os crimes de vias de fato e de maus-tratos, uma vez que os alunos estavam sob a coordenação dela”, diz Simões Júnior.
Educação repudia comportamento
De acordo com a secretária municipal de Educação, Valéria Recco, a professora foi contratada após passar por processo seletivo e já havia atuado em outras escolas sem, no entanto, apresentar qualquer problema. “O que foi gravado é que realmente essa professora não tem condições de atuar em sala de aula.”
Valéria afirma que a escola se prontificou imediatamente a verificar as denúncias e a amparar os pais e os alunos que foram vítimas da professora. “A secretaria repudia qualquer forma de violência, principalmente para os nossos alunos. O diretor tomou todas as providências cabíveis.”
A reportagem tentou ouvir a suspeita e esteve no endereço indicado pela mulher à polícia como sendo o da casa dela, mas os vizinhos informaram que ela não mora mais no local. Ela também não foi localizada no telefone indicado.

Aiara Cristine da Silva diz que o filho foi agredido por professora em Barretos, SP (Foto: Claudio Oliveira/EPTV)
Aiara Cristine da Silva diz que o filho foi agredido por professora em Barretos, SP (Foto: Claudio Oliveira/EPTV)

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante para nós, comente essa matéria!