Usuários Online

RÁDIO CIDADE AO VIVO

Loading ...

quarta-feira, julho 05, 2017

Leco nega responsabilidade em fracasso de Ceni e diz ter tido coragem em contratar "novato"

Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, presidente do São Paulo, em entrevista coletiva (Foto: reprodução)

Quase 30 horas depois de demitir Rogério Ceni, o presidente do São Paulo, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, se pronunciou. Nesta terça-feira, o dirigente foi à sala de imprensa do CT da Barra Funda para explicar sua decisão.
Questionado sobre qual a parcela de responsabilidade da diretoria no fracasso do trabalho de Rogério Ceni, Leco disse:
– A diretoria não tem nenhuma responsabilidade direta. A diretoria teve a coragem de contratá-lo, sendo uma figura desconhecida e novata no tema direção técnica. A diretoria confiou no seu trabalho e deu todas as condições de realizá-lo. Isso é inegável. A diretoria acabou concluindo que uma trajetória descendente para a história dele e do clube merecia ser feito algo. Preferimos agir.
Ao ser perguntado sobre o pagamento da multa rescisória de R$ 5 milhões prevista no contrato de Rogério Ceni, Leco disse que será necessário "fazer um acerto". Ao contrário dos técnicos antecessores, há multa rescisória no contrato de Ceni, que valia até dezembro de 2018. Em entrevista na semana passada ao GloboEsporte.com, Leco confirmou que ela dependia do desempenho da equipe.
A meta estipulada, sugerida por Ceni, é a média dos aproveitamentos de Juan Carlos Osorio (51%), Edgardo Bauza (46,5%) e Ricardo Gomes (42,5%). Ceni sai com 49,5% de aproveitamento, sendo 37 jogos, 14 vitórias, 13 empates e dez derrotas. Ou seja: o ex-goleiro tem direito a receber a multa rescisória. Leco, porém, não garante que irá pagá-la:
– Em relação à multa, será algo de âmbito interno. O São Paulo cumprirá à risca tudo que estiver determinado. Serão feitos ajustes com ele. O Rogério esteve aqui hoje (terça-feira). O relacionamento com ele não será interrompido. As portas não estarão fechadas.
Leco também foi perguntado sobre a saída do auxiliar inglês Michael Beale. O profissional descartou problema de adaptação dos familiares no Brasil e disse que o projeto apresentado inicialmente mudou. O presidente deu sua versão:
– Surpreendeu até o Rogério. Tenho ele na cota de frustração por não ter conseguido resultado num projeto que eles abraçaram. Tivemos ótimo trabalho na Florida Cup, a sensação de que ali estava sendo projetado um trabalho vitorioso. Aí tem a inadaptação da mulher, dos filhos. Surpreendeu, sem dúvida. Não tinha nenhum problema com eles.
Na reapresentação do Tricolor, nesta terça-feira, no CT da Barra Funda, Ceni se despediu de jogadores e funcionários. O auxiliar Pintado comandou a atividade no campo.
A saída de Rogério foi definida em reunião rápida com o presidente Leco e o diretor Vinicius Pinotti, na última segunda-feira, no Morumbi.

Fonte: Globo Esporte

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante para nós, comente essa matéria!