Usuários Online

RÁDIO CIDADE AO VIVO

quarta-feira, agosto 02, 2017

Líder de bando que explodiu a Brinks era agente de trânsito no Grande Recife, afirma delegado

Polícia Civil apresentou, nesta quarta-feira (2), no Recife, balanço da' Operação Durga' (Foto: Ascom/Polícia Civil)
O líder do braço pernambucano da quadrilha nacional que assaltou a sede da empresa de segurança Brinks, na Zona Oeste do Recife, em fevereiro deste ano, era agente de trânsito em um município da Região Metropolitana. A afirmação foi feita nesta quarta-feira (2) pelo delegado João Gustavo Godoy, durante a apresentação do resultado da ‘Operação Durga’, deflagrada na terça-feira (1º), em Pernambuco, São Paulo e Rio Grande do Norte.
Em coletiva de imprensa, realizada no Recife, Godoy, que é titular da Delegacia de Roubos e Furtos, apontou que o líder do grupo tinha ligação com um a organização criminosa que atua em presídios em todo o país. “Infelizmente, ele fazia parte da infraestrutura de segurança do estado”, afirmou o delegado.
A polícia acredita que o líder da organização tinha interesses na política. “Ele tinha uma vida estruturada. Chegou a alugar um caminhão para distribuir chocolates em uma comunidade. Temos informações de que ele também participou da campanha política municipal de 2016 e pretendia ser candidato em 2018”, comentou Godoy.
A ação recebeu o nome de ‘Durga’ em referência a uma deusa do hinduísmo que tem vários braços. A analogia foi feita a partir da constatação do envolvimento de pessoas de diversos estados, uma vez que a quadrilha atuava em Pernambuco, São Paulo, Rio Grande do Norte e em Alagoas. A ação era marcada pela terceirização dos trabalhos. "As armas vinham de um estado e o pessoal contratado para participar era de outro. Isso dificulta a investigação”, afirmou o policial.

Carros foram queimados na Zona Oeste durante assalto à Brinks (Foto: Antônio Coelho/ TV Globo)
Carros foram queimados na Zona Oeste durante assalto à Brinks (Foto: Antônio Coelho/ TV Globo)

Segundo a polícia pernambucana, além da explosão da Brinks, durante a qual veículos foram queimados e três PMs ficaram feridos, o grupo teve participação em outros crimes no Recife. "Há evidências da participação desse pessoal na invasão do escritório de um grupo empresarial na Várzea, na Zona Oeste, e de um supermercado, no Grande Recife", observou Godoy.
Na coletiva, o delegado não revelou o valor levado pelos bandidos na ação da Brinks. “Só posso dizer que foi um valor muioito menor do que o especulado na época”, comentou.
A ação contra a Brinks contou com a participação de pelo menos 15 homens fortemente armados. “Todo o braço pernambucano foi desarticulado. A polícia ainda não conseguiu encontrar o suspeito em São Paulo”, disse o delegado.

Bandidos invadiram transportadora de valores no Recife (Foto: Antônio Coelho/TV Globo)
Bandidos invadiram transportadora de valores no Recife (Foto: Antônio Coelho/TV Globo)

Delação
Segundo a Polícia Civil de Pernambuco e o Ministério Público, a ‘Operação Durga’ só foi viabilizada a partir de informações repassadas por um integrante da quadrilha. A pessoa, que não terá o nome nem a participação revelados, deverá ser beneficiada por um processo de delação premiada.
Assim, de acordo com Godoy, o ex-integrante do grupo não deverá ser punido nem preso. “Ele deu informações preciosas. No meu relatório, escrevi que ele não deve ser indiciado e pode ser levado a um program de proteção a testemunhas”, justificou.

O procurador de Justiça Ricardo Lapenda, chefe do Grupo de Atuação Especial Contra Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público de Pernambuco, ressaltou que sem as informações do delator, jamais a polícia chegaria a essa organização. “Em Pernambuco, desconheço algo nesse sentido. É um caso singular envolvendo uma quadrilha violenta com articulações nacionais”, salientou.
Lapenda acredita que será preciso seguir todos os trâmites da delação premiada. “Esse caso preenche todos os requisitos. As informações seguirão para o Judiciário, que pode homologar ou não. Acho que pode ser pedida a extinção da punibilidade dele”, acrescentou.

Suspeitos presos e material apreendido são levados para o Depatri, na Zona Oeste do Recife (Foto: Pedro Alves/G1)
Suspeitos presos e material apreendido são levados para o Depatri, na Zona Oeste do Recife (Foto: Pedro Alves/G1)

Operação
Na 'Operação Durga', os agentes cumpriram também 17 mandados de busca e apreensão domiciliar, além de dois mandados de condução coercitiva, quando os suspeitos são levados para prestar depoimento.
Cinco homens foram presos e encaminhados para o Departamento de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Depatri), em Afogados, Zona Oeste do Recife. Quatro deles foram detidos em casa, em bairros da capital e de cidades da Região Metropolitana. O quinto foi preso no Rio Grande do Norte. Todos os detidos já cumpriram pena por assalto a banco.
A polícia apreendeu quatro carros em Pernambuco com placas do Recife, de Natal e de São Paulo. A corporação também recolheu projéteis de arma de fogo.

Entenda o caso Briks

De acordo com a polícia, os bandidos tinham como alvo principal a empresa de transporte de valores. Para entrar no cofre, explodiram o muro de uma loja de conveniência de um posto de combustíveis, que fica no terreno ao lado.
O grupo fez cinco pontos de bloqueios para facilitar a investida, de acordo com a PM e a Companhia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU). Moradores registraram momentos de pânico.
O primeiro ocorreu na Ponte do Jiquiá, na Avenida José Rufino com a Rua São Miguel. Ainda na José Rufino, outro bloqueio só que no cruzamento com a Avenida Recife, onde deixaram um carro queimado pouco antes do Viaduto Ulisses Guimarães. Um ponto no viaduto e outro logo após ele. O último bloqueio foi formado na Avenida Recife próximo ao Conjunto Habitacional Ignêz Andreazza.
De acordo com a Polícia Civil, ao todo, foram queimados sete veículos nos bloqueios. Os bandidos abandoranam, em cima do Viaduto Ulisses Guimarães, um dos veículos utilizados durante a investida criminosa. O carro blindado foi pintado de preto e a placa retirada para dificultar a identificação. A Avenida Recife, uma das principais vias da Zona Oeste, chegou a ser interditada no sentido Zona Sul.

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante para nós, comente essa matéria!