Usuários Online

RÁDIO CIDADE AO VIVO

terça-feira, agosto 08, 2017

Por que o número de crianças hospitalizadas por tentativa de suicídio dobrou nos EUA?

Relatórios evidenciam um crescimento sem precedentes nas tentativas e mortes consumadas por suicídio entre crianças e adolescentes nos EUA (Foto: Pixabay)Relatos de mães e pais pedindo ajuda após encontrarem seus filhos à beira da morte após tentativas de suicídio se tornaram comuns em fóruns online e redes sociais nos Estados Unidos.
"Minha filha tomou uma garrafa inteira de Lexapro e meia garrafa de Wellbutrin (ambos antidepressivos). Ela vomitou cinco vezes antes de me contar, quando acordei para trabalhar naquela manhã. Essa é uma visão que nenhum pai deveria ver", conta Hammer, em um desabafo que deu origem a mais de 15 relatos semelhantes.
Ann diz que não sabe o que fazer para ajudar a filha. "Ela tem 15 anos e tentou se suicidar hoje ingerindo produtos de limpeza. (...) Ela já tinha tentado se matar vários meses atrás com um corte no pulso."
Claudia fala sobre culpa e vergonha.
"Minha filha, uma criança linda e talentosa, teve uma overdose ontem e eu sinto vergonha por não tê-la ajudado e protegido suficientemente. Sinto culpa, porque meu trabalho é garantir que a vida dela seja boa e segura. Mas no fundo, muito no fundo, também sei que a vida hoje é incrivelmente difícil para as crianças. As cobranças e expectativas parecem se mover muito rápido para que eles acompanhem, e eles sentem que falharam."
Phyllis fala sobre o filho, um menino de 15 anos. "Encontrei meu filho no meu quarto, em overdose depois de tomar meus remédios. Não consigo parar de pensar no que poderia ter acontecido. Não consigo dormir, não consigo comer, e aquela manhã não sai da minha cabeça. Encontrei-o deitado na minha cama, quase sem respirar."
As tragédias se refletem nos resultados de dois relatórios divulgados recentemente nos EUA. Eles chamam atenção para um crescimento sem precedentes nas tentativas e mortes consumadas por suicídio entre crianças e adolescentes de todo o país.
As meninas encabeçam o grupo que mais cresce nesse ranking, evidenciando os impactos de problemas geralmente associados a adultos - como depressão, ansiedade, bipolaridade e pressão por padrões de beleza inatingíveis - na saúde mental de quem ainda frequenta a escola.

Meninas são o grupo mais vulnerável, por causa de pressão online e padrões idealizados de beleza e comportamento (Foto: Pixabay)

Recorde
De acordo com dados divulgados na semana passada pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças do governo americano, as mortes de meninas entre 15 e 19 anos por suicídio atingiram um recorde em 40 anos - e dobraram entre 2007 e 2015, com 5,1 casos para cada 100 mil.
O fenômeno atinge também crianças e adolescentes do sexo masculino, cujas mortes ainda acontecem em maior número, mas crescem em ritmo menos acelerado: 30% no mesmo período (são 14,2 casos para cada 100 mil), segundo o órgão oficial.
Em números absolutos, em 2015, foram registrados 524 suicídios de meninas e 1.537 de meninos entre 15 e 19 anos.
Outro relatório apresentado recentemente no Encontro Anual de Sociedades Pediátricas dos EUA aponta que as internações de menores de idade por pensamentos ou tentativas de suicídio dobraram entre 2008 e 2015.
O estudo se focou em crianças e adolescentes entre 5 e 17 anos e, novamente, apontou que o grupo que mais registrou aumento nas internações é o das meninas - que atualmente respondem por 2 em cada 3 dos casos.
O suicídio é hoje a segunda principal causa de mortes de crianças e jovens em idade escolar (12 a 18 anos) nos EUA, ficando atrás apenas de acidentes.

O volume impressiona: a taxa de suicídios infanto-juvenis, segundo o governo americano, é maior que a soma das mortes por câncer, doenças cardíacas e respiratórias, problemas de nascimento, derrame, pneumonia e febre.
Pressão online
Chefe da ala de saúde comportamental do hospital pediátrico Cook Children's, no Texas, a psicóloga Lisa Elliott diz que os dados recém-revelados "são absolutamente dolorosos, mas não são uma surpresa".
"Nós precisamos tirar os estigmas da saúde mental", diz a PhD, alertando para a incidência dos quadros entre menores de idade, e não só entre adultos. "Problemas de saúde mental têm que ser vistos pelos pais como qualquer doença, da mesma maneira que os problemas de coração são."
Em coro com outros especialistas, ela afirma que o quadro se agrava pelo uso irresponsável de redes sociais, que pode gerar competitividade e uma busca por padrões de beleza e desempenho.
"As redes podem ter impacto negativo sobre a autoestima das meninas e isso aumenta o isolamento delas", avalia Elliott. "Quando notam que não têm uma vida tão perfeita ou glamourosa quanto a de outros, elas concluem que 'algo anormal ou errado está acontecendo comigo'."
Segundo a psicóloga, a sensação de invisibilidade nas redes impulsiona práticas ligadas ao bullying entre jovens de ambos os sexos.
"O anonimato traz uma desumanização, uma perda de empatia pelos outros, especialmente aqueles diferentes de nós. Assim perdemos a capacidade de respeitar as opiniões diferentes, o que infelizmente resulta em mais bullying e mais isolamento."
À BBC Brasil, Eileen Kennedy-Moore, psicóloga e autora de diversos livros sobre saúde mental infantil, diz que não faz sentido proibir o acesso a redes sociais ("os celulares e tablets estão aí, não há como lutar contra isso"), mas que os pais precisam colocar "limites sensatos" na relação entre seus filhos e aparelhos eletrônicos.
"Adolescentes e crianças sempre tiveram a sensação de uma audiência imaginária, de que todos estão sempre olhando para eles", conta a especialista, que vive e trabalha em Nova York.

"Com as redes sociais, a experiência de ser vigiado e julgado o tempo todo aumenta", avalia.
Segundo Kennedy-Moore, os aparelhos eletrônicos "também precisam ser colocados para dormir, já que nada de bom acontece nesses telefones depois da meia-noite".
"As relações online podem ser uma fonte de apoio e conforto. Pacientes de câncer, por exemplo, encontram grupos de apoio na internet que são maravilhosos", diz Moore. "Mas amizades online não podem substituir as amizades cara a cara, e os pais precisam prestar atenção nisso."
Economia e 'contágio'
Daniel J. Reidenberg, diretor do Conselho Nacional para Prevenção de Suicídios, alerta para outras raízes associadas ao aumento dos suicídios infanto-juvenis.
"Há uma pressão extrema sobre esse grupo por competição, ambições e preocupações com o futuro", diz.
"Crises econômicas também têm impacto, uma vez que alguns jovens se sentem um fardo para as famílias. Jogos, vídeos, TV e filmes também influenciam muito as mentes dos jovens. Outra chave para a questão são outros suicídios a que esses jovens expostos. O contágio do suicídio é real, e os jovens são particularmente sensíveis a ele", diz o especialista à BBC Brasil.
Segundo Lisa Elliott, enquanto meninos que tentam cometer suicídio apelam para métodos mais violentos, como o uso de armas, os casos de meninas são normalmente associados ao excesso de substâncias controladas e drogas ilícitas.
"Adolescentes não entendem completamente as drogas que estão ingerindo e suas potenciais consequências. Isso pode resultar em overdoses acidentais", alerta.
De acordo com os entrevistados, os pais que buscam ajuda profissional normalmente contam que encontraram menções a suicídio nos telefones ou cadernos dos filhos, ou perceberam mudanças de comportamento, como isolamento e afastamento dos amigos, irritabilidade, problemas de sono e em notas escolares e falta de interesse em atividades que antes agradavam.
"A tentativa mostra muitas vezes que as crianças querem dizer que estão muito bravas ou tristes, mas não sabem como articular isso", avalia Kennedy-Moore. "E muitas pesquisas mostram que a maioria dos que tentam se suicidar acaba se arrependendo do ato."

Para Elliott, os dados apontados pelas pesquisas não devem ser ignorados pelos pais - cujo maior erro costuma ser achar que histórias como as que abrem esta reportagem nunca acontecerão com pessoas próximas.
As referências a suicídios no noticiário, segundo a especialista, podem servir como oportunidade para conversas sobre o tema entre pais e filhos.
"Pergunte a eles por que acham que isso está acontecendo e se sentem algo semelhante", diz. "Assim, você pode descobrir muito sobre o que eles ou seus amigos estão vivendo."
A presença dos pais nas vidas das crianças e jovens é a estratégia mais eficaz, segundo os entrevistados.
"Muitas vezes, nós enchemos a agenda dos nossos filhos com atividades porque pensamos que é saudável, quando seria melhor ter mais tempo com relações humanas saudáveis e realmente gastar tempo em família com qualidade, sem dispositivos eletrônicos", afirma Elliott.

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante para nós, comente essa matéria!