RÁDIO CIDADE AO VIVO

Ouça pela Rádios Net ou clique na imagem abaixo

Ouça pelo Listen 2 My Rádio ou clique na imagem abaixo

Imagem relacionada
Loading ...

sábado, agosto 05, 2017

Deputados do PMDB que votaram contra Temer dizem não crer em punição

Deputados peemedebistas que votaram contra Michel Temer na sessão da Câmara da última quarta-feira (2) dizem não crer em punição por terem descumprido a ordem da cúpula partidária, que fechou questão pela rejeição da denúncia contra o presidente.
Na sessão, os deputados rejeitaram, por 263 votos a 227, o envio para o Supremo Tribunal Federal da denúncia de corrupção passiva contra o presidente apresentada pela Procuradoria Geral da República.
Dentre os 227 favoráveis à investigação de Temer no Supremo (veja como votou cada deputado), estavam os seguintes deputados do PMDB, cuja bancada na Câmara tem 63 parlamentares:
Celso Pansera (RJ)
Jarbas Vasconcelos (PE)
Laura Carneiro (RJ)
Sérgio Zveiter (RJ)
Veneziano Vital do Rego (PB)
Vitor Valim (CE)
Na véspera da sessão, o presidente do PMDB, senador Romero Jucá (PMDB-RR), disse que haveria "consequências" para os deputados que desobedecessem a decisão partidária e votassem contra Temer. Em julho, antes do recesso parlamentar, a executiva do PMDB decidiu punir os deputados que se posicionassem contra o presidente, atitude inédita na história da legenda. As sanções podem variar de advertência e perda de cargos até a expulsão da sigla.
Quadro histórico do PMDB, o deputado Jarbas Vasconcelos (PE) afirmou que não tem receio e nem acredita que será punido pela direção da legenda. Para ele, uma eventual punição seria uma medida “extravagante” e “inadequada”.
“Eu acho que isso [punição] seria uma medida perniciosa, altamente antidemocrática. Um partido é isso. Um partido como o PMDB tem muitas convergências, mas muitas divergências também. E as divergências sempre foram respeitadas”, declarou Jarbas Vasconcelos.
O parlamentar pernambucano afirmou ainda que não foi a primeira vez que não seguiu uma orientação partidária. “O partido sempre respeitou minha posição. Estou bem acomodado no PMDB e quero continuar”, disse.
Na mesma linha, Laura Carneiro (RJ) disse confiar na “essência democrática” do PMDB e, por isso, não espera punição.
"O PMDB que eu conheço é democrático, e num partido democrático isso é uma matéria de cunho pessoal. Mas, se o partido entender que é uma matéria de governo, vai tomar as providências e eu vou acatar", explicou.

Na avaliação da parlamentar fluminense, se existe uma denúncia com indícios de cometimento de crime, precisa ser investigada. Laura Carneiro contou ainda que comunicou ao líder da legenda na Câmara, Baleia Rossi (SP), que não seguiria a ordem partidária.
Outro dissidente, o deputado Celso Pansera (PMDB-RJ) disse que votou contra Temer por entender que o Supremo Tribunal Federal é quem deve decidir sobre a abertura ou não de processo e que não foi nada pessoal contra o presidente ou o partido.
“Não sou advogado. Então, o que julguei é que, diante do pedido da Procuradoria, quem deveria se pronunciar de uma forma jurídica é o Supremo Tribunal Federal, porque tem os instrumentos jurídicos, as ferramentas. Não foi nada pessoal contra Michel Temer e o partido”, disse.
Ele entende que uma eventual punição não seria cabível porque a denúncia não tratava de uma questão programática do partido. “Tratamos de uma questão do juízo individual de cada deputado”, declarou.
Ex-ministro de Dilma Rousseff, Pansera argumentou ainda que, no plenário, tem seguido as orientações partidárias na maior parte das vezes.
“Espero continuar trabalhando. Nesse tempo, desde que o Temer assumiu, tenho sido um dos deputados mais presentes dentro do plenário. Mais de 70% das minhas votações foram seguindo orientações partidárias”, afirmou.
O G1 procurou os deputados Veneziano Vital do Rêgo (PB) e Vitor Valim (CE), mas não obteve resposta até a última atualização desta reportagem.
Mudança de legenda
Outro peemedebista que votou contra Temer, o deputado Sérgio Zveiter (RJ), preferiu não falar sobre eventuais punições.
O parlamentar, no entanto, já sofreu consequências do seu posicionamento antes mesmo da votação da denúncia contra Temer na última quarta.
Quando o tema estava sob análise da Comissão de Constituição e Justiça, Zveiter foi designado relator da denúncia e votou pelo prosseguimento do caso. Seu parecer, porém, foi rejeitado pelo colegiado, dando lugar ao relatório de Abi-Ackel, favorável a Temer.

Logo depois da apresentação do parecer, Zveiter perdeu as funções de vice-líder do partido na Câmara e de coordenador da bancada peemedebista na CCJ.
O G1 apurou que Zveiter tem dito a deputados próximos que quer se antecipar a um eventual processo de expulsão da legenda. Já na próxima semana, ele deve anunciar a sua desfiliação do PMDB.
Zveiter está em negociação para migrar ao recém-criado Podemos (antigo PTN) e quer ser o candidato da sigla ao Senado em 2018.

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante para nós, comente essa matéria!